/ Usando o Google Analytics

Tagueamento de Campanhas com Google Analytics

Quando trabalhamos com vários canais e anunciamos em diversas plataformas, identificar o canal que está trazendo o maior retorno fica mais difícil, e é por isso que esse artigo irá te ajudar .


O tagueamento de campanha oferece exatamente essa possibilidade, para que você tenha o melhor insight sobre seus anúncios e trace melhor a estratégia do seu negócio com base nos relatórios.

Mas afinal, o que é tagueamento?

O termo “tag”, traduzido do inglês, significa etiqueta. Assim como outros termos do marketing digital, criou-se uma expressão e a palavra foi abrasileirada para “tagueamento”. A prática consiste em incluir identificadores na sua URL que servem para classificar, organizar e analisar o desempenho de canais, banners, campanhas e qualquer ação digital que direcione acessos para o site.

E como isso pode ajudar no seu negócio?

Vamos supor que você acabou de lançar a campanha “BlackFriday”no Facebook, Google Ads e Twitter, com o objetivo de levar usuários a acessarem a sua Landing page, e durante um mês você precisa analisar qual dos canais estão trazendo mais resultados $$ para o seu negócio.

A ferramenta mais famosa para você realizar essa análise é o Google Analytics, mas sabemos que essa plataforma não faz tudo sozinha.

E ai que entra o tagueamento ;)

Vamos por partes:

Você já deve ter visto no Analytics a aba onde a navegação do usuário é identificada quando o clique da página de destino é orgânico (quando a pessoa busca uma palavra-chave e o clique leva ao seu site), de referência (quando o clique veio de outro site que está vinculado ao seu) e direto (quando alguém acessa sua URL diretamente. clica no seu e-mail marketing ou algo assim).

Essas categorias definem qual canal de origem do usuário que está acessando seu site, e uma vez que, a mesma campanha está em diversos canais. Com a mesma URL, o Analytics não consegue diferenciar perfeitamente as diferentes origens e meios de acesso.

Porque isso acontece?

Isso acontece porque quando a campanha é criada, normalmente é utilizado o mesmo link para as diferentes redes e lugares onde a campanha será entregue, porque afinal você busca encaminhar usuários para uma única pagina.

Quando tagueamos, personalizamos ou etiquetamos esses links, o Analytics consegue distinguir perfeitamente a origem do acesso, e através desse tagueamento conseguimos incluir as demais plataformas como Twitter e Facebook para que o Analytics passe a identificar a mesma campanha nesses canais.

O legal é que assim que você cria o link personalizado e ele é clicado, automaticamente o Google Analytics adiciona esse link ao relatório sem que você configure na plataforma.

Exemplos de Campanhas Tagueadas - Fonte Google Demo Account

Para taguear suas campanhas será necessário a criação de uma UTM.

O que é UTM?

UTM ou Módulo de Rastreamento Urchin é uma fórmula que permite você acrescentar texto na sua URL para rastrear a origem do clique.

Você já deve ter visto um link que terminam em utm_medium ou utm_source.

Ex:

URL sem UTM: https://www.keepi.com.br/

URL com UTM:  https://www.keepi.com.br/blackfriday? utm_source=Facebook&utm_medium=Imagem-5&utm_campaign=lancamento

Esses informações correspondem exatamente ao objetivo da UTM que é informar o Analytics sobre a origem do acesso e apresentar os indicadores sobre comportamento e trajeto do usuário em relação ao anúncio. Ou seja, todo aquele retorno que buscamos com a nossa campanha será traçado através dessa personalização de link.

Caso você não crie uma UTM, o Analytics pode categorizar o trafego do clique de maneira incorreta e isso afeta diretamente o resultado que estamos buscando em nosso exemplo.

Como criar UTM?

Para criar uma UTM é necessário pensar em palavras-chaves para identificar cada anúncio. Essa palavra será responsável por identificar o seu anúncio e imediatamente ela informará ao Analytics o trafego da sua campanha.

Antes de criar a sua UTM você precisa saber algumas informações básicas.

Existem alguns sites que criam UTMs como o UTMMaker, mas a melhor ferramenta é a do próprio Google, UTM Builder.

Tanto no Google ou nas demais plataformas, você criará a sua UTM preenchendo os campos source, medium e campaign.

·         Utm_source: ou origem, é o indicador responsável por registrar a origem do tráfego. Aqui você pode adicionar o próprio site, Twitter, Facebook e ou newsletter.

·         Utm_medium: ou meio, é o que indicará a mídia ou de onde veio o acesso. Ex: redes sociais, banners ou e-mail (no caso da newsletter).

·         Utm_campaign: ou campanha, é o espaço para você nomear a sua campanha. Aqui, você pode dar vários nomes diferentes para o mesmo anúncio para fazer uma comparação de, por exemplo, qual cor ou frase funciona melhor. Esse é o campo mais importante, pois aqui é o espaço onde você pode diferenciar mais detalhado o seu anúncio.

Como falamos acima, na maioria das vezes que criamos esses links é para diferenciar uma campanha em diversos modelos. Preenchendo os campos e nomeando de acordo com a sua proporção, você terá várias URLs diferentes para identificar.

E para você não ficar perdido, vai uma dica Keep.i: crie planilha como a imagem abaixo, para ter controle das URLs criadas que deseja acompanhar.

Dicas para criar UTM:

Agora que você já sabe um pouco sobre tagueamento, pensamos em um modelo para ajudar você a taguear a sua campanha ou anúncio, sem erro. É bem simples, acesse o site ao qual deseja utilizar e preencha os campos obrigatórios de acordo com as perguntas sugeridas abaixo:

Para Utm_source responda: De onde eu quero que venha o clique?

Para Utm_medium responda: Quais canais ou material de marketing eu estou usando para essa campanha?

E para Utm_campaign responda: esse anúncio tem o objetivo de informar o que?

Vamos usar o exemplo da nossa campanha. Queremos que o usuário chegue a nossa Landing page, mas para isso, criamos anúncios para página do Twitter, Facebook e para sites de nicho, para identificar o clique, podemos taguear a campanha do Facebook assim:

Respondendo as perguntas, no campo source queremos que o clique venha do “Facebook”, ou seja source – Facebook. (criando UTM)

https://www.keepi.com.br/blackfriday?utm_source=Facebook

O canal ou o meio que vamos utilizar aqui seria “Post”, ou seja medium – post

https://www.keepi.com.br/blackfriday?utm_source=Facebook&utm_medium=post

E esse anúncio tem o objetivo de informar o que é a campanha, ou seja campaign –BlackFriday.

https://www.keepi.com.br/blackfriday?utm_source=Facebook&utm_medium=post&utm_campaign=blackfriday

Vale lembrar que é muito importante você não utilizar os mesmos canais para meio e origem. E se você quiser especificar ainda mais o seu tagueamento com datas ou informações relacionadas, uso no campo campaign, pois esse espaço não interfere na leitura do Google e sim é um campo para nomear e diferenciar melhor cada URL.

Aqui estamos falando em benchmarking de dados. Quando você sabe de onde vem as suas visitas e qual foi o tráfego de cada uma delas, você consegue responder questões estratégicas para melhorar a sua campanha e ainda otimizar seus resultados.

Com o tagueamento, é possível consolidar todos os dados da campanha em um relatório ou dashboard. E agora que já sabe como taguear você já pode segmentar a sua campanha, analisar a variedade no seu relatório e acompanhar o desempenho dos seus canais.

Crie já uma UTM, teste e veja como é fácil!  

Tagueamento de Campanhas com Google Analytics
Share this

Assine nossa newsletter